Glossário de termos usados no Orçamento de Obras.

OrçaBIM:É o plugin criado pela OrçaFascio, que possíbilita extrair automaticamente os quantitativos do projeto em Revit, por meio de critérios definidos pelo usuário, e vincula estes quantitativos com as Composições de Custo Unitário – CPU’s, para a montagem de um orçamento preciso, sem sangria financeira.

Bancos de custos: O presente trabalho é uma narrativa do que foi a experiência de implantação do Sistema de Custos e Informações Gerenciais no Banco Central do Brasil, instituição autárquica da administração pública indireta, integrante do sistema financeiro nacional, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Critérios de orçamentação: estabelece regras e critérios a serem seguidos por órgãos e entidades da administração pública federal para a elaboração do orçamento de referência de obras e serviços de engenharia, contratados e executados com recursos dos orçamentos da União.

Bases de composições analíticas: são tabelas que detalham os diversos insumos utilizados na execução do serviço em questão, seus coeficientes de utilização e, para quantificação do serviço, o custo unitário de cada insumo.

SINAPI: é a sigla para Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil. É uma tabela muito utilizada no orçamento de obras, mantida pela Caixa Econômica Federal e pelo IBGE, que informa os custos e índices da Construção Civil no Brasil.

SICRO: é uma ferramenta criada e aperfeiçoada pelo DNIT para manter atualizada a definição de custos, apta para estabelecer os melhores parâmetros para referenciar a elaboração dos orçamentos de projetos rodoviários e licitação de obras.

SBC: é uma base de dados mantida e publicada pela editora SBC Stabile RJ – possui 12.200 serviços e respectivas composições. Possui mais de 9.600 insumos que norteiam os preços das composições orçamentárias. Trata-se do mais antigo acervo de dados para orçamentos com os estudos e pesquisas realizados pelo renomado professor Miguel Stabile.

CPOS: Criada em 1991, a Companhia Paulista de Obras e Serviços é a responsável pelas soluções de engenharia elaboradas para os órgãos da administração direta e indireta do Governo do Estado de São Paulo.

SIURB: Sistema de Acompanhamento de Obras. O objetivo desse sistema é o compartilhar a evolução das operações de Desenvolvimento Urbano, do estágio das construções às movimentações financeiras ligadas a cada projeto. A interface do SIURB é simples e permite o acompanhamento de forma interativa.

FDE: é responsável por viabilizar a execução das políticas educacionais definidas pela Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, implantando e gerindo programas, projetos e ações destinadas a garantir o bom funcionamento, o crescimento e o aprimoramento da rede pública estadual de ensino.

EMBASA: A Empresa Baiana de Águas e Saneamento S.A. é uma empresa brasileira concessionária de serviços de saneamento básico de quase todo o estado da Bahia e pertencente ao governo estadual, seu acionista majoritário.

SETOP: O Preço SETOP é a planilha referencial de preços para as obras do Estado de Minas Gerais. São mais de 3 mil ítens de composições de custos unitários, com preços regionalizados e atualizados, para garantir melhores condições de execução e maior resultado econômico das obras.

SUDECAP: A Superintendência de Desenvolvimento da Capital, também conhecida por SUDECAP, é uma autarquia municipal da Prefeitura de Belo Horizonte, no Brasil. Criada pela Lei 1 747, de 09 de dezembro de 1969, está vinculada à Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura.

IOPES: Organização Administrativa Estatal, o IOPES tem como objetivo planejar, projetar, coordenar, fiscalizar e executar as obras de engenharia. Ao DER, assegurar soluções adequadas de transporte rodoviário de pessoas e bens.

Agetop: Agência Goiana de Transportes e Obras – Agetop é um dos principais órgãos do Governo do Estado de Goiás

CAERN: A Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (CAERN) é uma empresa BRASILEIRA que detém a concessão dos serviços públicos de saneamento básico, captação, tratamento e distribuição de água no estado do Rio Grande do Norte. É uma sociedade de economia mista, cujo maior acionista é o Governo do Estado do Rio Grande do Norte.

CAEMA: Criada em 6 de junho de 1966, sob o Decreto n° 2.653, a Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão – CAEMA, sociedade de economia mista, foi instituída em 29 de julho de 1966 com o objetivo de gerir a política de saneamento básico no Estado do Maranhão e, especialmente, planejar, coordenar, implantar, ampliar, construir e explorar serviços de abastecimento de água e de esgoto.

SEDOP: Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas-SEDOP

ORSE: Orçamento de Obras de Sergipe, foi desenvolvido e é mantido pela Companhia Estadual de Habitação e Obras Públicas de Sergipe – CEHOP há mais de dez anos, para atender à determinação contida nos artigos 8º e 9º da Lei Estadual nº 4.189 de 28.12.1999 que criou o Sistema Estadual de Registro de Preços para Obras e Serviços de Engenharia.

SEINFRA: A Secretaria de Estado da Infraestrutura (Seinfra) de Alagoas é o órgão responsável pela elaboração e execução de políticas em habitação, saneamento e obras públicas, tendo como finalidade o desenvolvimento sustentável do Estado.

Insumos:  Tudo o que entra na produção de um bem. Combinação dos fatores de produção(matérias-primas, horas trabalhadas, energia consumida etc.

Composições:  são tabelas que detalham os diversos insumos utilizados na execução do serviço em questão, seus coeficientes de utilização e, para quantificação do serviço, o custo unitário de cada insumo.

Cronograma físico: é o avanço esperado da obra em si. Após a definição do escopo entre contratante e contratada, e durante a fase do planejamento, ele é elaborado com base nos pacotes de trabalho, já previamente definidos. Durante sua concepção, são levantados dados históricos de trabalhos semelhantes já realizados e levado em conta o seu tempo de duração. Nessa fase, o prazo de execução de cada atividade é a informação mais importante para sua completa elaboração.

Cronograma orçamentário: é um sistema de planejamento econômico-financeiro das operações de uma empresa, e de fiscalização da execução do programa preestabelecido.

Medição de obras: é a verificação e a compatibilidade entre o que foi executado e o que está previsto no projeto e nos quantitativos do orçamento. Além de ser uma ferramenta fundamental de controle, a quantificação permite mensurar os recursos aplicados ao longo do cronograma (como materiais, equipamentos e mão de obra), facilitando pagamentos e desembolsos mensais para a construção do empreendimento.

Relatório fotográfico: é um documento que empresas prestadoras de serviço utilizam para o acompanhamento da execução de um trabalho. Ele é gerado a partir de fotos e anotações realizadas em vistorias ou no momento em que o serviço é realizado.

Orçamento de obras:  É o estágio final do processo de formação do preço. O orçamento de uma obra não pode ser confundido com uma simples planilha ou com uma tabela de preços. O orçamento é derivado da matriz de custos ou da planilha de composições de custos.

Curva ABC de insumos:  A Curva ABC é uma ferramenta poderosa, que auxilia o orçamento e o planejamento de obras. Após realizar todo o orçamento de uma obra, classificamos em ordem decrescente (do maior para o menor) quais são os insumos que tem maior peso sobre o custo total da obra.

Diário de obras:  é um documento usado por construtoras e incorporadoras para registrar informações importantes sobre cada dia de atividade na construção de um empreendimento. É uma espécie de memorial da obra.

Controle de materiais: é um sistema onde proporciona ao município controlar toda a movimentação de entrada e saída de materiais, onde controla o saldo dos materiais, estoque, controla transferências de materiais para outros setores, possibilita balancetes por período, e existem inúmeros relatórios para conferencia.

Atividades executadas na obra

Equipamentos de obra: são ferramentas utilizadas para auxiliar na execução de um serviço.

Relatório sintético: é a apresentação de uma compilação dos principais dados referentes ao projeto desenvolvido. Este documento é um dos instrumentos utilizado para avaliação dos projetos. Não é um simples resumo.

Relatórios em xlsx : geração de um arquivo nativo do Excel.

Revit: é um software BIM para arquitetura, urbanismo, engenharia e design. Foi desenvolvido pela Charles River Software, empresa fundada em 1997 e renomeada Revit Technology Corporation em 2000, ano que foi lançada a primeira versão estável.

Interoperabilidade: Interoperabilidade é a capacidade de um sistema de se comunicar de forma transparente com outro sistema. Para um sistema ser considerado interoperável, é muito importante que ele trabalhe com padrões abertos ou ontologias.

Planilha da medição: na construção civil a planilha de medição tem a função de controlar o quantitativo de serviços que foi executado, bem como para se ter do controle de pagamentos e recebimentos a serem feitos.

Aditivo de medição: No módulo de Contratos de Empreiteiros, somente o aditivo de medição rearma a aprovação fiscal, pois nele pode ser inserido um item já contratado ou um novo item, que pode ocasionar diferenças no contrato, devido a parametrizações diversas de tributação.

Registro de clima: nos registros de medição de obras também é possível registrar as condições climáticas dos dias trabalhados na obra, isso se chama registro de clima.

Registro de atividades:  é uma lista de todas as suas publicações, alterações ou atividades, desde o começo até hoje em ordem decrescente.

Encargos sociais desonerado: valores de insumos sem a contribuição de 20% sobre folha de pagamento.

Valor desonerado operativo: são passíveis de recolhimento de cerca de 1%-2% da receita bruta da empresa para as contribuições previdenciárias.

Valor não desonerado operativo: são passíveis de recolhimento de 20% do salário dos empregados para as contribuições previdenciárias;

Plataforma BIM: Com a tecnologia BIM (Building Information Modeling – Modelagem de Informações da Construção), é possível criar digitalmente um ou mais modelos virtuais precisos de uma construção. Eles oferecem suporte ao projeto ao longo de suas fases, permitindo melhor análise e controle do que os processos manuais.

Revit bim: é um software BIM para arquitetura, urbanismo, engenharia e design. … O software permite aos usuários projetar edifícios, estruturas e seus componentes em 3D e anotações no modelo com desenhos 2D. É possível acessar elementos e informações de construção a partir do banco de dados do modelo.

Estimativa de custos: Estimar os Custos tem como objetivo desenvolver uma estimativa dos custos dos recursos necessários para executar as atividades do projeto.Custo é a remuneração dos fatores de produção (mão-de-obra, capital, máquinas, instalações, materiais e serviços) utilizados na preparação e execução de um processo produtivo.

Orçamento preliminar: O orçamento preliminar estimativo é mais detalhado que a estimativa de custos e necessita de levantamento expedito em alguns quantitativos.Ele é feito normalmente depois da elaboração do anteprojeto e antes do desenvolvimento de projetos básicos

CubCusto Unitário Básico, esse é o significado do acrônimo CUB. Por meio da Lei Federal 4.591/64 criou-se, há mais de 40 anos, esse termo. Desde então, passou a ser um indicador de referência no meio do segmento da construção civil.

Orçamento analítico: detalhamento de todas as etapas do empreendimento, resultando na confiabilidade do preço apresentado, considerando todos os recursos e variáveis mensurados por custo direto, custos indiretos acrescidos de BDI, formando assim o preço de venda.

Custos diretos : é tudo o que está relacionado diretamente com a execução de um serviço na construção civil. É todo o custo relacionado com a produção do insumo constituído pelos custos com a mão de obra, materiais e equipamentos.

Custos indiretos : são apropriados aos portadores finais mediante o emprego de critérios pré-determinados e vinculados a causas correlatas, como mão-de-obra indireta, rateada por horas/mão de obra, gastos com energia, com base em horas/máquinas utilizadas, etc.

Composição de custos: são tabelas que detalham os diversos insumos utilizados na execução do serviço em questão, seus coeficientes de utilização e, para quantificação do serviço, o custo unitário de cada insumo.

Medição por Empreiteiro: A Planilha de Medição por Empreiteiro tem como objetivo pesquisar e imprimir todos os itens de uma medição, estejam eles em aberto, aprovados, ou medidos; segundo opções disponibilizadas para seleção na tela; tendo como referência um empreiteiro informado, e relacionado a uma das Empresas/Obras selecionadas, em um determinado período.

Cadastro de Obras:  são cadastros de  identificação, para efeitos fiscais, pelo respectivo número do Cadastro de Obras de Construção Civil.